Vocação e destino da vanguarda intelectual e artística

01/07/2019 15:29

O 9º Congresso da União dos Escritores e Artistas de Cuba será realizado nos dias 29 e 30 de junho no Palácio das Convenções de Havana.

O 9º Congresso da União dos Escritores e Artistas de Cuba (Uneac) foi e será muito mais do que as duas sessões programadas nos dias 29 e 30 de junho no Palácio das Convenções de Havana. Começou desde o momento em que a convocação foi anunciada, há um ano, assim como comemoramos o 57º aniversário das Palavras aos Intelectuais proferidas por Fidel, e então tivemos uma ampla e intensa jornada nas seções especializadas e nas subsidiárias provinciais das associações que culminaram com o recente processo de balanço em todos os territórios do país.

Ao mesmo tempo, de forma transversal e multidisciplinar, centenas de membros da organização, agrupados em grupos de trabalho, abordaram uma agenda que se debruçava sobre questões relacionadas à projeção social da cultura, educação artística, vínculos com os jovens criadores, a mídia e as redes sociais, indústrias culturais e o mercado de arte e a incidência da arte no turismo. Então, é claro, acordos e propostas devem ser implementados e seguidos.

Participante e testemunha destes fatos, posso afirmar que o mais relevante do processo é a reafirmação do compromisso da vanguarda intelectual e artística com a contínua transformação revolucionária da realidade, que nos leva a uma sociedade onde a realização espiritual, os ideais de justiça e a equidade e a solidariedade ética são cada vez mais cativantes.

É um compromisso com o destino da Pátria e a vontade compartilhada de um povo que, longe de renunciar à construção do socialismo, trabalha para viabilizar o modelo a que aspiramos e merecemos.

Críticos, insatisfeitos, propositivos, com o bom funcionamento da organização e das instituições culturais e dinâmicas sociais, escritores e artistas, com total liberdade e alto grau de responsabilidade, entendem o debate como uma manifestação de sua vocação participativa e o exercício de um dever irredutível que leva em conta as particularidades do momento histórico e, ao mesmo tempo, direciona o olhar para o quanto podem contribuir, a partir da criação e seu envolvimento com os diversos setores da vida nacional.

Nesse sentido, decidiram reposicionar a análise de sua própria criação artística e literária e sua promoção no centro da atividade das Associações, pois somente através de uma produção cultural diversificada e qualitativamente qualificada, que articule tradição e assuntos atuais, vincule linhas de continuidade e pontos de ruptura, e decantar o substancial do supérfluo, está em condições de satisfazer demandas e necessidades do público e aberto a esses novos horizontes.

Ao longo do processo em direção ao Congresso, a ênfase foi colocada na aliança indispensável entre educação e cultura. O papel formativo da escola cubana não seria possível sem conteúdo ou estilos culturais, entendidos muito além da arte e da literatura, mas de uma perspectiva integradora e integral.

Em ‘Palavras aos Intelectuais’, Fidel anunciou a fundação iminente da Uneac e insistiu em que fosse «uma forte associação de artistas e escritores», que contribuiu «com todo o seu entusiasmo para as tarefas que lhes correspondem na Revolução».

Esse espírito prevaleceu no processo rumo ao 9º Congresso e corresponde à confiança depositada pelo general-de-exército Raúl Castro quando, por ocasião do 55º aniversário da organização, afirmou: «A Uneac do presente continuará enfrentando com coragem, compromisso revolucionário e inteligência, esses desafios complexos».

Fonte: Granma
https://pt.granma.cu/cuba/2019-06-25/vocacao-e-destino-da-vanguarda-intelectual-e-artistica

Voltar

Pesquisar no site

© 2008 Todos os direitos reservados.