Díaz-Canel: Colocar no lugar que pertence à empresa estatal socialista

23/11/2019 11:27

«Temos tomado medidas para substituir mecanismos administrativos por econômico-financeiros, no entanto, todas as possibilidades ainda não foram aproveitadas e ainda estamos lentos nas cadeias produtivas no turismo, o investimento estrangeiro e o setor não estatal», afirmou o presidente.

«NÃO há capacidade suficiente para reagir na implementação das medidas aprovadas para melhorar a gestão da empresa estatal socialista. Os obstáculos que impedem essa gestão são sempre questionados, mas hoje há mais agilidade na apresentação de medidas que facilitam, do que em sua aplicação», afirmou Miguel Díaz-Canel Bermúdez, presidente da República, durante uma reunião com os Conselhos do Governo, realizada na quarta-feira, 20 de novembro, no Palácio das Convenções.

«Estamos tomando medidas para substituir mecanismos administrativos por econômico-financeiros, no entanto, todas as possibilidades ainda não foram aproveitadas e ainda estamos lentos nas cadeias produtivas no turismo, no investimento estrangeiro e no setor não estatal», afirmou o presidente no encontro, em que foram analisadas, entre outras questões, o cumprimento dos principais indicadores de gestão no final do terceiro trimestre de 2019, bem como a implementação de algumas das medidas aprovadas para impulsionar a economia.

«A mentalidade de importação nos impede, porque é mais fácil importar do que pensar nas cadeias, porque elas precisam ser gerenciadas, são necessárias ideias, incentivos, estruturas para atendê-las, criatividade e é isso que pode nos levar a empresas sólidas com verdadeira soberania», afirmou.

Segundo Díaz-Canel, «precisamos que tudo o que for aprovado seja executado e precisamos demonstrar a viabilidade, o sucesso da empresa estatal como entidade fundamental da economia».

E tudo isso, disse ele, foi feito em um cenário particularmente complexo, de piora do bloqueio, perseguição financeira, juntamente com a situação política tensa na região. «Daí a importância», enfatizou, «de manter a unidade, de não permitir fraturas ou ceder lugar à interferência ou manipulação».

Durante a reunião, o presidente reiterou a necessidade de continuar com um trabalho ideológico adequado nos grupos de trabalhadores, destacando o trabalho dos Conselhos Governamentais como representantes do Estado perante o setor empresarial: «Sua função não é cumprir tarefas, mas processos diretos. Trata-se de avaliar, propor, sem espaço para desviar recursos, para confundir».

Em suas recomendações, Díaz-Canel voltou mais uma vez ao papel dos quadros e observou que os melhores preparados deveriam ser identificados; e também mencionou a necessidade de manter o compromisso com as medidas de economia implementadas para superar a crise do combustível que afetou o país.

Também não ignorou as diretrizes de trabalho que se tornaram prioridades: abordar o auto-suprimento municipal, a campanha de plantio de frio e a colheita de açúcar; fortalecer o apoio ao turismo; fortalecer as relações universidade-governo, a política habitacional; continuar o confronto com o roubo de combustível e aproveitar o potencial do governo eletrônico do setor empresarial.

«Se as empresas aproveitarem melhor as medidas aprovadas e cumprirem essas indicações, estaremos pensando como país; e essa é a maneira mais exaltante de celebrar o 61º aniversário do triunfo da Revolução».

Fonte: Granma
https://pt.granma.cu/cuba/2019-11-21/diaz-canel-colocar-no-lugar-que-pertence-a-empresa-estatal-socialista

Voltar

Pesquisar no site

© 2008 Todos os direitos reservados.