Mais de 50% dos norte-americanos querem fim do bloqueio a Cuba

25/02/2014 02:32

Uma pesquisa divulgada na última terça-feira (11) pela empresa Atlantic Council revelou que 56% dos norte-americanos apoia a normalização das relações do país com Cuba. Recentemente, o ex-governador da Flórida, Charlie Crist, pediu o fim do embargo dos EUA contra a ilha e causou um mal estar com o governo estadunidense, que em seguida defendeu a política de bloqueio como uma “importante ferramenta” para instigar mudanças no país caribenho.


Latuff
Nos últimos 22 anos, a imensa maioria dos países membros da ONU tem votado a favor do fim da sanção, mas Washington segue ignorando a comunidade internacional de maneira categórica.

Nos últimos 22 anos, a imensa maioria dos países membros da ONU tem votado a favor do fim da sanção, mas Washington segue ignorando a comunidade internacional de maneira categórica.

O governo dos Estados Unidos defendeu nesta quarta-feira (12) a política de bloqueio comercial e econômico de Cuba como uma "importante ferramenta" para instigar a mudança na ilha, em resposta ao debate causado pelas declarações de Crist e após uma pesquisa divulgada sobre o tema.

"Achamos que o embargo proporciona um importante recurso para instigar mais mudanças positivas na ilha, portanto vemos sua contínua aplicação vinculada ao ritmo e à natureza dessas mudanças", disse à agência EFE uma porta-voz do Departamento de Estado, que pediu o anonimato.

Após 64 anos, o governo estadunidense segue acreditando que com a sanção pode “encorajar um entorno mais aberto na ilha e um maior respeito aos direitos humanos e as liberdades fundamentais", segundo disse o funcionário norte-americano. Ele parece ter esquecido que tal cerco é criminoso, uma vez que submete a população cubana à fome, doenças e outras carências.

De acordo com informações de Cuba, o bloqueio já provocou perdas superiores a 1 trilhão 157 bilhões 327 milhões de dólares. Os EUA criam obstáculos a Cuba, que tem dificuldades para comprar medicamentos, instrumentos e outros insumos do sistema de saúde pública. Em apenas um ano, o país caribenho teve de designar 39 milhões de dólares na aquisição desses produtos vitais para a vida de seus moradores em mercados longínquos ou através de intermediários.

Durante a 68ª Assembleia Geral da ONU, mais de 40 presidentes, primeiros-ministros e chanceleres dos cinco continentes pediram o fim do bloqueio classificado como “genocídio, ilegal e relíquia da guerra fria”. Nos últimos 22 anos, a imensa maioria dos países membros da ONU tem votado a favor do fim da sanção, mas Washington segue ignorando a comunidade internacional de maneira categórica.

O Congresso americano é o único que pode revogar o embargo, reforçado em 1996 com a Lei conhecida como Helms-Burton, mas o governo de Obama mantém que a eliminação dessa medida estará condicionada ao executivo cubano promover "mudanças" que, segundo sua opinião, ainda não aconteceram.

Théa Rodrigues, da redação do Vermelho,
Com informações da EFE

 

Voltar

Pesquisar no site

© 2008 Todos os direitos reservados.