Jovens cubanos cantam a Che com Manu Chao

11/10/2009 13:34

Centenas de cubanos, sobretudo jovens, escutaram na sexta-feira à noite o cantor franco-espanhol Manu Chao durante um concerto em homenagem ao revolucionário Ernesto “Che” Guevara.

“É uma honra estar com vocês esta noite”, gritou Chao ao começou sua parte do espetáculo na Universidade de Havana.  Foram as poucas palavras pronunciadas pelo artista.
Chao cantou “Asesinos de Rumba”, dedicando o tema aos “inimigos de Cuba”, e também “Alas Rotas”.

Bandeiras de muitos países, sobretudo dos estudantes latino-americanos da Escola Latino-americana de Ciências Médicas, tremularam sobre as cabeças.

Alguns cartazes com dizeres políticos prestavam apoio ao presidente Manuel Zelaya, de Honduras, vítima dos “gorilas”.

Muitos faziam coro às canções e aplaudiam. O concerto contou com a abertura dos trovadores cubanos, como o talentoso Adrián Berasain e o músico Kelvis Ochoa.
Enquanto o evento acontecia vários pintores confeccionavam murais alegóricos ao guerrilheiro cubano-argentino na parte posterior do cenário improvisado.
Guevara “é e seguirá sendo uma figura emblemática para a esquerda mundial”, disse Chao.
O artista franco-espanhol também se apresentará no estádio Sandino da cidade central de Santa Clara — a cerca de 300 quilômetros ao leste da capital, onde estão os restos de Che e seus companheiros mortos na Bolívia.

Mano é autor de “Clandestino”, ex-líder da legendária banda “Mano Negra” e filho de emigrantes espanhóis na França.

Esteve pela última vez na ilha em 2006, quando se apresentou com seu grupo “Radio Bemba Sound System”.

Considerado por especialistas como um expoente da música alternativa e das mais variadas fusões, José Manuel Thomas Arthur Chao, seu verdadeiro nome, acaba de apresentar seu recente trabalho “Baioanera”, um CD-DVD.

Com agências

Voltar

Pesquisar no site

© 2008 Todos os direitos reservados.