Galeano lamenta que fatos de Cuba sejam manipulados por inimigos

12/03/2010 12:05

O escritor e jornalista uruguaio, Eduardo Galeano, alertou, nesta quarta-feira (10), que "contra Cuba é aplicada uma enorme lupa, que amplia tudo o que ali ocorre, sempre que convém aos interesses dos inimigos, chamando a atenção para o que se passa na revolução, enquanto a lupa se distrai e não consegue ver outras coisas importantes que a mídia não informa".

Galeano, que participou do seminário internacional "Direitos humanos, mulher e fronteira: o feminicídio da Cidade Juarez", organizado pela Universidad Internacional de Andaluzía (UNIA) em Sevilha, deu estas declarações em uma coletiva de imprensa após uma pergunta sobre o preso cubano Orlando Zapata, que morreu após uma greve de fome.

Neste sentido, o escritor disse que "respeita a decisão de alguém que é capaz de fazer greve de fome e morrer por suas crenças, ainda que não seja algo digno de aplausos".  Ao mesmo tempo, ele disse que o que aconteceu com Zapata e ocorre agora com o jornalista Guillermo Fariñas (também em greve de fome) são coisas "importantes e infelizes".

No entanto, Galeano, lamentou que "a mídia não tenha registrado, nas tantas páginas que dedicou ao terremoto no Haiti, que Cuba foi o país que mais enviou médicos ao local (mil), e que os médicos haitianos receberam sua formação no país cubano de forma gratuita".

Assim, acrescentou que, "enquanto Cuba manda médicos, os Estados Unidos enviaram soldados, o que implica uma concepção das relações internacionais diametralmente oposta."

Ele também assegurou que "Cuba continua a ser um país exemplar na sua capacidade de solidariedade e em sua dignidade nacional". Galeano afirmou, no entanto, que não aplaude tudo o que a ilha faz, "pois o amigo de verdade é aquele que critica na frente e elogia pelas costas".

Além disso, o autor de "Memória do fogo" afirmou que "a discriminação neste mundo contra as mulheres continua e é muito grave, porque, embora tenham ganho algumas batalhas, ainda há discriminação marcada pelas tradições machistas, elitistas ou militaristas, embora exista quem pense que o problema está resolvido".

O escritor disse que "não pretende demonstrar que as mulheres são melhores que os homens, ou os negros que brancos, ou os índios que os conquistadores, mas, sim, exigir direitos iguais, a fim de mostrar o que somos, isto é, metade lixo, metade maravilha".

A este respeito, disse que "continua a acreditar que o fato de Barack Obama ter sido eleito presidente dos Estados Unidos é positivo, porque se trata de reivindicar a igualdade de direitos em um país que tem algumas contradições do racismo tão frequentes".

Ao mesmo tempo, Galeano disse que não acredita que o presidente teve tempo de ler a cópia de "As Veias Abertas da América Latina" que o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, lhe deu de presente, pois "Obama é um homem prisioneiro do poder e isso não deixa tempo para ler ", disse, embora tenha confessado que "teria recomendado outro livro mais 'palatável'".

Ele também lamentou que "Obama não aproveitou a entrega do Nobel da Paz para purificar a tradição norte-americana nesse prêmio - após tê-lo recebido Wilson, um fervoroso admirador da Ku Klux Klan, e Roosevelt -, elogiando a guerra em seu discurso."

Com relação à crise, o jornalista uruguaio disse que a situação atual confirma que o capitalismo "é um sistema regido por grandes empresas, transformando o mundo em um cassino onde ganha o que melhor vence". Nesse sentido, advertiu que uma conseqüência dessa crise é "a ressurreição do racismo, pois o elevado número de desempregados em países como Espanha, Itália e outros países do norte do mundo resgatou manifestações de racismo que se acreditavam enterradas."

Com Cuba Debate

Voltar

Pesquisar no site

© 2008 Todos os direitos reservados.