Frei Betto: O povo cubano não pode voltar ao passado

13/06/2010 17:58

HAVANA, Cuba, 10 jun (ACN) O sacerdote, teólogo e intelectual brasileiro Frei Betto disse na quinta-feira, em Havana, que o povo cubano não tem o direito de voltar ao passado depois de tanto esforço na construção de uma sociedade solidária e feliz.

Betto fez a declaração durante o 2º Colóquio Internacional José Martí, que decorrerá até sexta-feira com a participação de mais de 300 delegados de 30 nações.

O renomado representante da Teologia da Libertação ressaltou que Cuba teve quatro desvantagens: ser uma ilha, o única nação socialista do hemisfério ocidental, o sofrimento de um bloqueio econômico e desaparecimento da antiga União Soviética, mas, Betto disse que, apesar de tudo, ela continua a resistência.

Betto se referiu aos resultados devastadores que provocam a desigualdade social e a acumulação de riqueza, como 10 por cento das pessoas mais ricas têm um pouco mais de 70 por cento dos recursos mundiais em suas mãos, o que ele caracterizou como um crime contra a humanidade.

Durante seu discurso, o também membro do Conselho Mundial do Projeto de solidariedade internacional José Martí, lembrou que estes debates são destinados a encontrar novos caminhos para velhos conceitos que podem ajudar a construir um mundo melhor e citou a afirmação de Martí que “Pátria é humanidade”.

Ele também se referiu à necessidade de motivar os novos valores éticos, entre eles o amor recíproco entre os humanos.

Agência Cubana de Notícias

Voltar

Pesquisar no site

© 2008 Todos os direitos reservados.