Fracassa o projeto americano para 'invasão cultural' de Cuba

28/12/2009 14:16

Nos últimos 12 anos, o governo dos Estados Unidos gastaram cem milhões de dólares num programa que eles chamam de "promoção da democracia em Cuba", mas que na verdade trata-se de uma tentativa de influenciar ideologicamente os jovens cubanos através de uma espécie de "invasão cultural" tecnológica, que não trouxe qualquer benefício para o imperialismo estadunidense.

O jornal Washington Post revelou um relatório de 2006 do governo norte-americano, intitulado "A assistência para a democracia em Cuba necessita de melhor gestão", no qual mostra que a "supervisão revela erros alucinantes e fraudes no programa". O orçamento do programa subiu de cerca de US$ 3,5 milhões em 2000 para US$ 45 milhões em 2008 sob o presidente George W. Bush, que fez dos ataques político-culturais a Cuba uma prioridade.

O governo Obama continuou a apoiar o programa, que recebeu US $ 20 milhões em 2009 e 2010. Em um discurso na semana passada, Fidel Castro acusou o governo de Obama de aumentar o apoio à "subversão aberta e dissimulada".

Entre os problemas detectados no programa, destaque para a compra injustificada de "jogos de computador (incluindo Gameboys da Nintendo e Play Stations da Sony), uma bicicleta de montanha, casacos de pele, camisolas de caxemira, carne de caranguejo e chocolates Godiva".

O objetivo do programa, que só para o biênio 2009-2010 recebeu 20 milhões de dólares, é supostamente "ajudar os cubanos a romper o bloqueio informativo" a que estariam submetidos. Para isso, Washington introduz na ilha aparelhos de DVD, telemóveis e ligações à Internet, para incentivar o "intercâmbio de idéias dos cubanos com o resto do mundo". Suspeita-se que parte desta verba também financie jornalistas dissidentes como a blogueira Yoani Sánchez, que dedicam seus textos a atacar o governo e o socialismo cubanos.

O tema voltou a estar na ordem do dia, depois de Cuba ter detido um trabalhador de uma empresa norte-americana que realizava tarefas de "promoção da democracia", leia-se espionagem e sabotagem, para o Departamento de Estado. O indivíduo, cujo nome não foi revelado, trabalhava numa rede de ligações para a Internet.

Voltar

Pesquisar no site

© 2008 Todos os direitos reservados.