Cuba: educação terá mudanças inovadoras em 2010

24/05/2009 15:18

O sistema de educação em Cuba introduzirá mudanças inovadoras a partir do ano letivo 2009-2010, com o objetivo de fomentar maior qualidade no ensino e planos de ensino, bem como maior rigor para poder ter acesso ao nível superior.

Segundo o Seminário Nacional de Preparação do próximo ano letivo, algumas das mudanças que entrarão em vigor a partir de setembro próximo serão: acolher na Universidade à 12ª série — a última do segundo grau — para os jovens que quiserem estudar matemática, física, química e biologia; reabrir o curso universitário de marxismo-leninismo e história; aumentar o tempo nas salas de aula na formação de professores do ensino fundamental e secundário que estudam a licenciatura; incluir o vestibular para o ingresso no Ensino Superior para os que se matricularem nas sedes universitárias municipais (SUM)—modalidade para alcançar estudos superiores —; e dar a disciplina de história de Cuba na 7ª e 8ª séries do ensino secundário.


Durante o encontro, realizado no Centro de Convenções Pedagógicas de Cojímar, em Havana, a ministra da Educação, Ena Elsa Velázquez, explicou as recentes decisões com o propósito de aperfeiçoar o processo docente-educativo, e destacou que algumas delas começaram neste ano letivo e continuarão sendo aprofundadas.


"Nas universidades de Camagüey, Holguín, Oriente, Central de Las Villas e de Havana se iniciou uma experiência com jovens que estudarão ali a 12ª série, para depois poder passar por cursos de química, biologia, matemática e física".


"Com essa seleção de estudantes, uns 25 em cada curso por centro do Ensino Superior, escolhidos a partir de sua disposição e por seus resultados acadêmicos, os professores das universidades trabalharão com o objetivo de prepará-los e motivá-los. Desta maneira, o ingresso nesses cursos será mais rigoroso, não só no número".


A convocatória inclui todos os que atualmente estudam a 11ª série, mas fundamentalmente os estudantes dos Institutos Pré-universitários Vocacionais de Ciências Exatas (Ipvce), instituições que recuperam seu papel como formadoras dos futuros profissionais das ciências. Os que vão ingressar nesses centros em setembro terão que fazer seu compromisso de matricular essencialmente nesses cursos.


"É preciso incrementar o ingresso nestas especialidades, pois o país necessita desses profissionais; as matrículas estão muito deprimidas, e as fontes devem ser os Ipvce".


No seminário destacou-se a necessidade de que os jovens que desejarem ingressar nas universidades municipais terão que fazer vestibular para garantir a entrada de estudantes melhor preparados no nível superior. Esse processo é organizado agora pelo Ministério da Educação Superior.


Velázquez indicou que, em 23 de maio, vai ser aplicado um diagnóstico de língua materna, fundamentalmente, relacionado com a ortografia e caligrafia, a todos os alunos que estudam nas SUM, e que devem se formar em julho de 2009 e 2010.


Informou também que entre as prioridades do próximo ano letivo sobressai o aprofundamento do estudo da história de Cuba como veículo fundamental para a formação de valores nos jovens. Assinalou que nos centros pedagógicos vão se constituir os departamentos de marxismo-leninismo e história, e se abrirá esse curso com o objetivo de formar professores especializados nessa matéria.


"Vai se iniciar um programa de história de Cuba na sétima e oitava séries com o objetivo de consolidar os conhecimentos adquiridos no ensino fundamental, mas não repeti-los. Da mesma maneira, vai se manter o programa da nona série e na décima, vão se sistematizar os conhecimentos do ensino secundário".


Quanto à formação de técnicos médios e operários qualificados, a ministra precisou que o objetivo é cumprir os planos e as demandas dos organismos de cada território.


"Estão sendo redesenhados os programas de formação de técnicos. Os da nona série vão-se preparar em três anos e meio. Um bacharel técnico pode optar por um posto de trabalho na especialidade na qual se formou, e depois continuar na universidade um curso afim à sua ocupação. Também se trabalha num programa de técnico de nível médio, como proposta para os que terminam o segundo grau."


"Os que terminem a nona série podem se formar como operários qualificados em dois anos, e depois podem se formar como técnicos médios dessa especialidade, sem abandonar seu posto de trabalho".


O Ministério da Educação trabalha nesse sentido com os diversos organismos de Administração Central do Estado no redesenho dos planos de ensino, e também para que os estudantes possam fazer suas práticas nos locais de trabalho.


"Em geral, trata-se de uma mudança de estratégias, com base na análise dos problemas que tivemos e naquilo que não conseguimos. Vamos manter as mesmas direções de trabalho, mas aprofundando estes aspectos", destacou Velázquez.

 

Granma

 

Voltar

Pesquisar no site

© 2008 Todos os direitos reservados.