Cuba denuncia a hipocrisia dos EUA em relação ao terrorismo

12/05/2010 17:01

Cuba reiterou, nesta terça-feira (11), que a confecção unilateral pelos Estados Unidos das listas que acusam outros países de suposto apoio ao terrorismo é incompatível com o direito internacional e as resoluções da ONU. Nesse sentido, solicitou que Washington exclua a ilha desta relação, que qualificou como espúria, uma vez que se constitui como uma designação injusta, arbitrária e com motivações políticas.

A posição do país caribenho foi exposta pelo seu representante permanente na ONU, Pedro Núñez Mosquera, durante uma reunião do Conselho de Segurança. "Ao manter Cuba na lista, o novo governo dos EUA nega a racionalidade política que proclama publicamente e segue os passos equivocados de seus predecessores", disse o embaixador.

Ele acrescentou que se trata de uma manipulação política e de flagrantes mentiras contra Cuba para tentar justificar a desacreditada, isolada e insustentável política dos EUA contra a ilha. "Não é em Cuba, mas nos Estados Unidos, que atua impunemente uma máfia terrorista que organizou, financiou e realizou centenas de atos de terrorismo contra a nação cubana", disse Núñez Mosquera.

Ele lembrou que, nos últimos 51 anos, o governo norte-americano esteve envolvido em vários atos terroristas contra o país das Antilhas, que resultaram em 3.478 mortos, 2.099 incapacitados e perdas materiais de mais de 54 bilhões de dólares. Denunciou ainda a dupla moral dos Estados Unidos, que se considera no direito de comprovar o comportamento de outras nações em matéria de terrorismo, enquanto não julga e permite que vivam em liberdade os responsáveis confessos dos horrendos atos terroristas contra Cuba.

A esse respeito, o embaixador mencionou o caso de Luis Posada Carriles, conhecido como o mais notório terrorista do hemisfério ocidental e contra quem as autoridades norte-americanas se limitaram a abrir um processo judicial por delitos menores. Ele assegurou que o tratamento deste problema por Washington é uma violação clara e flagrante das resoluções do Conselho de Segurança da Assembléia Geral e de vários instrumentos jurídicos internacionais de combate ao terrorismo.

O embaixador cubano insistiu em solicitar que os Estados Unidos julguem Posada Carriles como terrorista ou que o devolva para a Venezuela, país que solicitou sua extradição há quase cinco anos.

Ao mesmo tempo, exigiu à administração estadunidense a libertação dos cinco cubanos anti-terroristas, mantidos como presos políticos há mais de 11 anos em cárceres de segurança máxima. Ele explicou que esses homens estavam apenas tentando obter informações sobre grupos terroristas com sede em Miami, para evitar seus atos violentos e salvar vidas de cubanos e norte-americanos.

"Está nas mãos do governo dos Estados Unidos deixar de utilizar a questão do terrorismo com fins políticos e acabar com a inclusão injusta e infundada de Cuba na lista de países que supostamente patrocinam o terrorismo", afirmou Núñez Mosquera. "Cuba condena todos os atos, métodos e práticas de terrorismo em todas as suas formas e manifestações, em qualquer lugar, por quem quer que os cometa, contra quem sejam cometidos e quaisquer que sejam as suas motivações", disse ele.

Fonte: Prensa Latina

Voltar

Pesquisar no site

© 2008 Todos os direitos reservados.